formação de atletas no sport
formação de atletas no sport

Identificação e Formação – uma questão de cultura

Identificação, lealdade, paixão pela camisa: qual torcida nunca cobrou isso de seus jogadores? E a tal falta indignação dos jogadores na derrota para o rival direto ou em uma eliminação de campeonato? Será que esses sentimentos podem ser trazidos à tona apenas em conversas de treino ou antes do jogo, ou nas palavras fervorosas de um capitão exaltado? Eu respondo com absoluta certeza: NÃO.

Valores e princípios vêm da formação enquanto sujeito. Vem da família, da comunidade, de onde viveu, dos educadores que passaram pela nossa vida. Se a instituição quer internalizar valores em seus atletas ela deve expor os atletas a CULTURA do clube e ao AMBIENTE onde ele está inserido. Há um grande, robusto e longo trabalho de construção da identidade do atleta com o clube que ele representa.

O caminho para otimizar a relação investimento x resultado é o desenvolvimento de processos bem definidos dentro da instituição. Assim sendo, com governança de um clube bem definida – incluindo o perfil dos atletas – se torna possível fazer a captação de talentos igual ao RH de uma grande empresa. Entretanto, no mercado mundial, os clubes brasileiros podem ser comparados à “pequenas empresas” quanto ao poder financeiro, no máximo.

Nesse cenário, como ter atletas com desempenho superior? A resposta está em treinar, além da parte técnica, o pertencimento e a identidade com o clube. Investir nisso pode gerar ainda mais dividendos tanto pelo resultado técnico quanto pelo apoio do torcedor. É ao identificar semelhanças nos interesses e paixões que o torcedor realmente se envolve e potencializa o desempenho técnico, dos atletas, e econômico, do clube.

Mas, por vezes, o investimento não acontece porque, ao observar apenas o que a mídia repercute, o torcedor e o clube acham que essa formação será natural, que todo jovem que estreia na equipe principal foi “formado” na casa, e assim está tudo bem com a base.

Leia também no site do FootHub

Inovação no futebol, uma questão de cultura, por Débora Saldanha.

Futebol, Fórmula 1 e cultura organizacional – parte 1, por Caio Derosso.

Um atleta que chega no ciclo final de formação, como sub-20 ou sub-23 – salvo vínculos afetivos antigos – jamais conseguirá absorver a mesma paixão e identificação que um atleta que chega aos 10 ou aos 14 anos. Mesmo sendo fundamental a captação nessa fase do ciclo, ela jamais pode ser confundida com FORMAÇÃO de atletas no clube. O que se vê são muitos trabalhos de CAPTADORES e pouco de FORMADORES nos clubes.

Um processo de formação eficaz e robusto nas categorias de base de um clube traz uma mescla de jovens com longa ligação, mergulhados na cultura do clube, e um bom trabalho complementar de captação na fase final do processo. Desconfie de “grandes formadores” que atuam com ênfase entre 17 e 23 anos.

Quando o trabalho é realizado apenas na “epiderme” da base os resultados são mais rápidos, mas o que sustenta o clube e os processos de formação é o longo prazo, a atuação na “hipoderme” do processo de formação. Nessa segunda hipótese a chance de despertar PAIXÃO pela camisa será maior, o jovem trará as suas primeiras memórias de conquistas e pertencimento como atleta e torcedor.

Essa formação pode ser influenciada de maneira ainda mais ampla pelo ambiente. A competitividade do gaúcho, fomentada pela polaridade da cultura, a malandragem do jogador carioca, a pluralidade do paulista, que reflete atletas de todos os tipos, entre outras tantas marcas se vinculam a cultura da sociedade onde estão imersos os jovens em formação. Podemos potencializar os traços comportamentais mais virtuosos de cada região de maneira propositada.

A seletividade do futebol espanhol, a agressividade do futebol argentino, a garra do uruguaio, a plasticidade técnica do jogador holandês ou do croata, são traços genuinamente locais e treinados pelos processos de iniciação desportiva destes países. E nesta linha que vamos seguir, juntos, na próxima vez que nos encontrarmos aqui.

Texto de Felipe Kssessinski.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.