estante de livros
estante de livros

Biblioteca Ruy Carlos Ostermann #10 – Os livros de Wallace Reis

Em 2015, o nome de Wallace Reis virou notícia para além do futebol. Zagueiro do Flamengo na época, o jogador criou uma minibiblioteca para estimular a leitura dos atletas das categorias de base do Rubro-Negro. Boa parte dos livros fazia parte de uma coleção particular do zagueiro.

Naquele mesmo ano, o atleta já havia mostrado seu gosto pela leitura quando criou o site “O Wallace Leu”, em que postava crônicas das obras que gostava. Entre os títulos, estavam “Marighella”, já indicado aqui por Tino Marcos, e “1984”. 

Formado pelo Vitória, time em que atua atualmente, Wallace já confessou que o gosto pela leitura começou por lá. O jogador Felipe Saad lhe deu ‘O Homem que Matou Getúlio Vargas’, do Jô Soares, livro que o encantou e o fez procurar por mais títulos de assuntos que interessavam. Assim, descobriu “o quão rico e o quão importante é ler e tentar entender um pouco do mundo”. 

Wallace nunca teve medo de se posicionar, algo incomum no futebol brasileiro, que o próprio reconhece. “Existe uma repressão para não exprimir opinião. Emitir opinião te coloca em situação onde pode ser julgado. Quando entra em campo, você é julgado. E ao se posicionar vem a crítica dobrada”, declarou em entrevista para o UOL no começo de 2020. 

É inevitável que Wallace seja o primeiro jogador ainda em atividade a indicar livros para a Biblioteca Ruy Carlos Ostermann. E seus posicionamentos e vontade de melhor o mundo refletem muito bem as obras escolhidas. 

Confira agora os livros indicados por Wallace Reis

“Belchior: Apenas um rapaz latino-americano”, Jotabê Medeiros

Fala, Wallace! A biografia do Belchior é um livro que eu adorei. Eu conhecia pouco as músicas dele e a partir da biografia eu busquei conhecer mais sobre sua obra e vi o quão Belchior é um grande artista, mas pouco valorizado na MPB. Eu diria que Belchior é o “poeta popular”, com letras fáceis, mais diretas e tem uma sabedoria inacreditável. Não só “Como nossos Pais”, que foi regravada por Elis Regina, mas Rapaz Latino Americano, Sujeito de Sorte são canções que rasgam a alma. Quem gosta de boa música e livro que faça você pensar, é uma boa indicação.

“O demônio na Cidade Branca”, Erik Larson

Fala, Wallace! Esse livro conta a história da primeira Feira Mundial, que se passa em Chicago. É uma história real escrita por Erik Larson, muito inteiressante. E que conta também a história de H. H. Holmes, que foi um serial killer. A partir desses dois fatos, cada capitulo traz um personagem diferente e bem interessante. É um ótimo romance!

“1984”, George Orwell

Fala, Wallace! 1984 é meu livro preferido. Acho que é um livro de estado de urgencia, porque faz com quem leia tenha um senso crítico mais apurado e mais reflexivo. George faz uma crítica ao totalitarismo, e dentro dessa crítica o autor me fez pensar que nenhum ideologia vai ser utópica, porque por traz da ideologia tem um ser humano. Infelizmente a gente passa a ser um pouco pessimista depois de ler 1984, mas entende o porquê desse pessimismo.

Texto de Júlia Vargas.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.