imprensa no gramado
imprensa no gramado

O assessor de imprensa entre Ronaldinho e Kannemann

“A escolha do time de futebol redobra, por um gesto nosso, a sujeição primeira a um nome, a inclusão na ordem da linguagem e a identificação inconsciente com um objeto de amor. Ou seja, reencena as bases do nosso processo de identificação, dando-lhe um fantástico teatro em que se desenvolver e se esquecer. Alimentado e açulado pelas motivações grupais e sociais, não é à toa que passamos a defendê-lo pela vida inteira, às vezes furiosa e desesperadamente”. (MIGUEL WISNIK)

Tenho 39 anos, sou jornalista desde 2004, tempos em que sequer a disciplina de assessoria de imprensa existia na faculdade. Quando pensei em estudar jornalismo ainda era o tempo em que os adolescentes estavam mais (sonhando) preocupados em mudar o mundo do que sonhando (preocupados) com as redes sociais. Sempre quis trabalhar em veículos de comunicação e demorei até conseguir ingressar nas Rádios Bandeirantes e, depois, Gaúcha e mais adiante no jornal Correio do Povo e no portal Terra. Não queria mudar o mundo, mas queria ser ouvido, lido ou visto, pois dou muita importância para as reflexões que provoco ou as feridas que toco.

Quis o destino, no entanto, que a maior parte da minha carreira fosse em assessoria. E em um cenário completamente diferente, o de um clube de futebol. De 2010 a 2020 estive no departamento de futebol do Grêmio, mais precisamente no vestiário, onde tudo acontece enquanto a bola está parada e nem por isso, há menos tensão no ar. Diante dessa oportunidade, procurei, de alguma maneira, exercer a profissão, embora a função, muitas vezes, seja apontada como entrave.

Eu não queria desperdiçar essa oportunidade e acho que não desperdicei. Mais do que isso, queria que ela ficasse registrada para sempre. E o fiz escrevendo. O privilégio de transitar no ambiente sagrado do futebol durante um dos períodos mais significativos da recente trajetória do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense é o ponto de partida do livro “Jornalismo e vestiário: histórias e bastidores contados por um assessor de imprensa” (Capítulo 1, 304 páginas). A obra traz informações, curiosidades e reflexões acerca de episódios – públicos e inéditos – vivenciados por mim na companhia de importantes personagens da história do tricolor gaúcho

O conteúdo reflete a experiência acumulada em pouco menos de uma década, 654 partidas, 212 viagens oficiais e mais de mil entrevistas coletivas de oito comissões técnicas nas gestões dos presidentes Paulo Odone, Fábio André Koff e Romildo Bolzan Júnior. Os textos de apresentação do livro são assinados pelo jornalista esportivo José Alberto Andrade e pelo técnico de futebol Roger Machado.

O livro inicia com minha chegada ao Grêmio na semana em que se imaginava anunciar a volta de Ronaldinho, aponta outros pontos de vista de derrotas e vitórias marcantes, procura contextualizar o momento recente do clube e encerra nos primeiros dias do ano passado quando houve uma série de demissões, inclusive a minha, detalhadamente abordada a partir de um episódio com o ex-presidente da Federação Gaúcha de Futebol Francisco Noveletto e culmina com uma marcante coletiva do argentino Kannemann a respeito do sentimento desse gesto.

Ao longo da narrativa, jornalismo e a visão passional de torcedor se misturam em uma pretensão Nelson Rodriguiana, pela maneira humana e apaixonada que sempre apontei a lupa ao olhar para o futebol. Escrever é um hábito que senti falta, desde que deixei as redações por onde atuei no período pré-Grêmio. Apurar, anotar, digitar e editar são verbos acadêmicos e profissionais que voltei a conjugar no presente exercício da escrita deste livro.

Resolvi também escrever sobre minha experiência para deixar registrado, do ponto de vista profissional, o que acredito ser o papel do jornalista dentro de um clube de futebol enquanto assessor de imprensa: um profissional que não somente exerce uma função essencial no que tange à produção de conteúdo e à gestão de processos de comunicação, envolvendo a entidade e seus múltiplos públicos, mas também que, numa esfera mais ampla, é peça-chave para a garantia do jornalismo. Lidar com pessoas de cargos, formações, classes sociais, temperamentos, gênios, personalidades, currículos e ambições completamente diferentes no mesmo ambiente não é fácil.

Inserido nesse cenário está o assessor de imprensa. Um jornalista que tem a oportunidade de enxergar tudo aquilo que quem está de fora do vestiário gostaria e não pode. Que sabe boa parte daquilo que a imprensa e a torcida gostariam de saber e que ninguém ali de dentro quer que saia para fora. Não à toa, o vestiário é considerado “sagrado”. O assessor diariamente se vê diante de circunstâncias delicadas. Não que os demais profissionais não sejam colocados em encruzilhadas também. Ocorre que a maioria das ações do assessor tem consequência externa.

Não restam dúvidas, tanto o futebol como o jornalismo mudaram muito ao longo das décadas, embora creia que, ainda que com percalços e ressalvas, ambos ainda preservem hoje algumas das características e valores fundamentais para suas essências enquanto atividade e paixão.

Neste contexto, percebo a comunicação ser cada vez mais importante no desenvolvimento das relações entre pessoas, profissionais, empresas e marcas. Há cada vez mais meios e canais de comunicação no mundo. E no mundo, cada vez mais pessoas. A responsabilidade do fazer comunicar, porém, é dever de quem estuda e se compromete para tal, embora hoje todos possam se comunicar como bem acharem melhor.

Entendendo a comunicação como um agente essencial para a democracia, observo que tanto o assessor como o repórter de veículos têm de se postar de forma coadjuvante e imparcial perante os fatos. E colaborar de forma conjunta. Fundamentalmente ambos os profissionais – os de lá e os de cá do lado do balcão – servem ao mesmo interesse: o interesse público e, acima de tudo, a verdade. Um clube de futebol, em que pese uma instituição privada, é sim de interesse público, e por isso satisfações e decisões de suas ações precisam ser colocadas à prova.

Em tempos de redes sociais, informalização do trabalho, desinformação, informações falsas, má fé, princípios e valores pétreos perdendo força, os desafios são muitos. O futuro tem na comunicação um de seus pilares democráticos mais fundamentais, como, aliás, sempre o teve. E, neste sentido, trocar e disseminar experiências e ideias – como propõe meu livro – é essencial.

A comunicação é um fenômeno social contínuo, de aprendizado inclusive. E não fosse ela e seus meios, a experiência do futebol não seria a mesma. E experiência no futebol, conforme a citação no primeiro parágrafo deste texto, se vivencia talvez antes de nascermos. E a experiência no jornalismo, conforme a citação abaixo de Paulo Vinícius Coelho, o PVC, é o que pretendi fazer ao escrever um livro e deixar para sempre registrada minha passagem pelo Grêmio:

O que importa é saber construir uma boa história, priorizar a informação, ter noção exata de qual é o lide da matéria que está por nascer e o encadeamento de ideias para tornar a história suficientemente atraente. Tudo isso é bom jornalismo.

Paulo Vinícius Coelho

Texto de João Paulo Fontoura.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.