grandes clubes europeus como concorrentes brasileiros
grandes clubes europeus como concorrentes brasileiros

Lutando com os grandes

Quando começam os torneios europeus surge um questionamento sobre quem será o futuro torcedor dos clubes nacionais. Há anos que nossos clubes designam às famílias a função de arrecadar e fidelizar seus torcedores. Compreensível, uma vez que a paixão ou a simpatia pelo time passa de geração por geração. Quem nunca recebeu quando criança o uniforme completo do time do coração do pai, da mãe ou de alguém da família?

Pois bem, os tempos são outros agora. Estamos num mundo mais conectado, onde o alcance a outras agremiações esportivas foi facilitado pela internet e, principalmente, pelo videogame. Os jovens torcedores de hoje possuem um acesso maior a informações de ligas e de times estrangeiros, tornando-se consumidores em potencial desses clubes. Hoje já podemos ouvir que eles torcem por um time nacional e um europeu. E o que os clubes brasileiros estão fazendo para minar essa investida dos times europeus? Quais são as estratégias para conquistar ou fidelizar esse novo consumidor?

Leia também no FootHub

Estudo de caso: o jogo da inovação, por Rodrigo Romano.

O marketing no clube do interior, por Gabriel Klein.

Jogo, logo existo – parte 2, por Los Futebólicos.

A ascensão do gosto dos jovens torcedores por clubes estrangeiros é demonstrada pelo simples fato que os três maiores clubes seguidos, por brasileiros, nas redes sociais são europeus. Nesse contexto, os clubes europeus perceberam um negócio promissor nas Américas e instalaram escritórios nos Estados Unidos para estudar melhor esse mercado, e lógico, expandir a sua marca e estar mais próximo desse consumidor.

Quantas escolinhas de futebol, as academies, dos clubes europeus estão no Brasil? Pergunte a uma criança: “Pra qual time ela torce?” Geralmente a resposta virá com um time brasileiro acompanhado de um europeu. Porém, num futuro não tão distante veremos torcedores apenas de times europeus. Outra mudança perceptível é que nos domingos de sol, as crianças estão usando o uniforme completo de um time europeu para jogar bola nos parques da cidade.

Infelizmente a solução para esse problema não é instantânea; requer tempo, planejamento e estratégias de marketing. Um primeiro passo é assumir o papel de protagonismo na fidelização e na captação desses torcedores, e ter um olhar crítico ao mercado local. O alerta foi dado, para que nossos clubes não vivem no passado e possam construir grandes histórias com o seu principal patrimônio, o torcedor.

Texto de Gabriel Klein.

compartilhe

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.