análise de treino
análise de treino

A análise nossa de cada dia

– Eu vejo treinamentos.

– Com que frequência?

– O tempo todo.

O diálogo baseado no filme “O Sexto Sentido” nada mais é que uma analogia para que se compreenda o trabalho do analista de desempenho no dia a dia de um time de futebol. Quando falamos de análise de desempenho, a maioria das pessoas correlacionam somente os dados do jogo. Porém, o que mais vemos são as imagens, seja ela de treinamentos ou de jogos. Por isso, vamos falar hoje sobre o processo de análise de uma equipe.

Primeiro é preciso entender as ideias e o modelo de jogo do treinador que está a frente da comissão técnica. Assim, se faz um planejamento dentro do processo de análise do que realmente acrescentará, ou seja, quais informações vão contribuir para a equipe.

Começamos tentando compreender o perfil dos atletas de uma equipe. Engana-se quem imagina que o processo de análise envolve “somente” a parte tática, técnica ou física. Precisamos analisar e entender o aspecto psicológico também.

É neste aspecto que identificamos como lidar com o atleta. É a característica onde precisamos ter mais cuidado para saber como extrair a melhor performance dele. Afinal, é desta maneira que ele vai poder contribuir diretamente com o modelo de jogo implementado. É importante saber como ele assimila as informações.

Análise do dia a dia

Agora sim, vamos falar sobre como é o dia a dia do analista na percepção de análise da própria equipe. Primeiramente, todos os treinamentos são filmados para que seja possível observar todos os detalhes do que acontece.

Como auxiliar e analista, eu tenho a possibilidade de ficar dentro do campo para observar e construir um trabalho em conjunto com o treinador. Eu dou as informações em tempo real para o técnico que tem um modelo de jogo bem definido e para cada situação e cada adversário (ainda vamos falar sobre isso aqui no FootHub). As correções são feitas ali mesmo, no momento da execução.

Ao chegar no clube, eu assisto o treinamento mais uma vez em vídeo para ver, de maneira geral, algum detalhe que possa ter passado despercebido. Afinal, não é possível um profissional ver tudo o que acontece durante o treino. É nesses momentos que o nosso sexto sentido (de novo ele) aparece, pois relembramos das situações e nos damos conta do que pode ter acontecido ou o que, poderia acontecer.  

Se tiver algo que chame a atenção – positivamente ou negativamente – este trecho é recortado e enviado para o treinador. Neste caso, avaliamos como podemos conversar com cada atleta ou com o grupo de forma geral, conforme as necessidades de informações.

O importante é analisar e pensar nos objetivos que pusemos naquelas sessões. Estamos evoluindo ou não? Precisamos mudar nossa estratégia de treinamento para alcançar o nosso modelo de jogo? O nosso treino surgiu o efeito que gostaríamos? Deste jeito conseguimos identificar quais correções são necessárias para alcançarmos os nossos objetivos.

O dia a dia de um analista é de muita observação e avaliação. Com jogos quarta e domingo, precisamos sempre projetar a análise do próximo adversário. A gente debate entre a comissão técnica (treinador, auxiliar, analista e demais membros) para montar o processo de treinamentos daquela semana.

De acordo com o modelo de jogo do treinador, é montado um “treinamento base”. Com duas partidas na semana, a ênfase é na característica do adversário, até porque, o modelo de jogo do treinador já é conhecido de todos. Por isso o treino é montado em cima da estratégia do jogo que vamos propor durante a partida.

Na minha atual comissão técnica, sob o comando de Dyego Coelho, separamos o pré-treino em dois momentos: um defensivo e outro ofensivo. Sem esquecer, é claro, do trabalho de bola parada antes de cada partida para que a gente possa chegar mais bem preparado. Como analista e auxiliar, estas informações são passadas aos atletas no treino da segunda durante o próprio processo de treinamento. De acordo com a informação que o atleta precisava captar, de maneira objetiva.

O time titular trabalha do jeito que gostaríamos de jogar e o segundo time reproduz os movimentos do adversário. São informações setorizadas para que eles possam compreender e estarem preparados para o jogo. Depois de toda a preparação, estamos prontos para o jogo.

Mas a análise do jogo é assunto para mais um texto.  E, quanto ao processo de treinamentos, sim, como no filme, o tempo todo.

Texto de Michele Kanitz.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.