treinadores
treinadores

Na rua dos bobos, número 0

Em visitas a amigos sempre acontecem situações interessantes que passam a ser contadas como histórias e acompanham não só a amizade, extrapolando para momentos diversos da vida. Com gênios da poesia não poderia ser diferente. Aliás, poderia e é, visto a forma que conseguem nos encantar com “causos” tão pessoais e ao mesmo tempo transformá-los em patrimônio público.

Foi no litoral uruguaio, mais especificamente em Punta Ballena, nos encontros com o também artista Carlos Paéz Vilaró, que Vinícius de Moraes se inspirou para escrever uma das suas obras mais conhecidas. Vilaró se apaixonou pela pequena península e resolveu, por ser escultor, construir o um ateliê com suas próprias mãos, chamando a atenção do amigo brasileiro.

Uma casa sendo feita aos poucos, com paciência e muito esmero, como bem relatado no poema. E justamente por isso, a cada ida ao Uruguai, Vinícius a via de um jeito distinto, quase como um canteiro eterno de obras, no início feito de latas e madeiras e posteriormente adaptada a cimento e estuque. Pelas singularidades da sua construção e o ângulo que o sol fazia ao refletir na edificação, vendo de fora ela não parecia ter paredes, teto ou mesmo chão, quase como se estivesse flutuando. A casa pode até não flutuar, mas as palavras com que Vinícius definiu a sua impressão com certeza sim.

Se a relação do “Poetinha” com o amigo uruguaio, transformando a realidade em imaginário popular, nos rendeu tal privilégio, tomo a liberdade de percorrer o caminho inverso. Na rua dos bobos, número 0, moramos todos nós apaixonados por futebol que pertencemos à cultura de ignorar o esforço dos nossos Vilarós. Aqueles que, com as suas mãos, ou nesse caso, ideias, constroem a sua filosofia de jogo e posteriormente a nossa paixão, incorporando valores, conceitos e métodos que comumente refletem suas próprias personalidades.

Da mesma forma que o artista uruguaio deu tudo de si na estruturação de uma obra que refletisse o que ele acredita, os treinadores pautam o seu trabalho na sua visão de futebol e porque não de mundo. Quando, para criticar algum profissional, sendo da imprensa ou como torcedores, utilizamos a expressão “sem ideias” estamos, sem perceber, insultando não só o treinador e seu trabalho, que por si só já são valiosos, mas também a pessoa por trás da figura que comanda a equipe.

As ideias existem e obviamente podem ser boas ou ruins para determinados contextos, mas para além disso é necessário que a execução delas se dê de forma eficiente e consequentemente os resultados apareçam, tarefa essa que não depende somente do treinador, mas de um esforço geral do clube.

O que dificulta a nossa compreensão é justamente o que pautou o tão famoso poema. Ver a casa de longe passava a impressão de que não havia teto, não havia chão ou mesmo paredes, mas ao visitá-la ficava nítido a quão enganada era a visão de quem estava longe. Sendo assim, que sejamos mais Vinícius e que possamos valorizar o esforço daqueles que atuam ativamente para que a nossa paixão seja cada dia mais prazerosa.

Texto de Pedro Heitor do Los Futebólicos.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.