cultura de inovação
cultura de inovação

Inovação no futebol, uma questão de cultura

Inovação talvez tenha sido uma das palavras mais buscadas por executivos e diretores de todas as áreas, nos últimos anos. A pandemia só veio acelerar esse processo, e trazer à tona a questão: quem não inovar hoje, estará fadado ao fracasso. Isso é fato! Porém, será que temos o real entendimento sobre inovação, principalmente no mercado do futebol?

Quando falo de inovação, o que vem a sua mente? Novas tecnologias? Streaming, chatbot, realidade virtual? Metodologias ágeis, post-its, digitalização? Sim, isso tudo faz parte de ferramentas e processos de inovação. Ferramentas!

A cultura da inovação

Atuo no futebol há pelo menos 7 anos, e além de ter sido atleta, já passei por vários caminhos até chegar à assessoria em inovação e transformação digital – trabalho que desenvolvo especificamente há 2 anos. Seja em empresas ou em clubes de futebol, o meu entendimento -e experiência – é de que o principal fator que realmente gera a inovação é a cultura organizacional, a cultura interna. E sabemos, este é um dos fatores mais complicados de transformação – e não só no mundo futebol!

Tirar as pessoas da sua zona de conforto, alterar processos de trabalho que já vêm sendo realizados há anos, dissolver os “feudos” e suas falas conhecidas de “sempre foi assim” ou “não tem como mudar”, é o trabalho mais desafiador quando se fala em inovação.

Desafiador, não impossível!


Leia também:

‘O clube mais inovador do Brasil’ por Cadeira Central.


Contudo, a possibilidade da transformação de mindset de colaboradores e todos stakeholders, só irá acontecer se partir “de cima”, da alta diretoria, os ditos C-levels. Aí sim, com o aval destes executivos, será possível implementar ações e ferramentas para que então a inovação aconteça, começando pela mudança de cultura interna.

Como? Implementando um ambiente que primeiro favoreça e estimule novos projetos e novas ideias, onde todos possam participar e se sentir parte deste processo de inovação. Principalmente, estimular a conversa entre setores, entre o ecossistema, a descentralização de dados, o compartilhamento de ideias, etc.

Porque inovar é muito mais que estar no tiktok, ter chatbot, ou até um programa de realidade aumentada. Inovar é melhorar processos, encurtar caminhos, otimizar tempo de execução de tarefas, com novos olhares para o que já é feito, contando ou não com novas tecnologias. Até porque, em muitas realidades do futebol, a tecnologia – em seu grau mais inovador, não está tão acessível assim, a não ser por possíveis interações com o ecossistema de sportechs, o que vale um outro artigo.

É preciso entender que inovação diz respeito mais sobre cultura do que sobre tecnologia. É sobre mudança de mindset, de  posicionamento, de quebra de paradigmas. Entender que o digital é o complemento, que já há muito tempo, chegou para ajudar a construir uma nova realidade, agora mais evidente e latente, que beneficiará a todos envolvidos: clubes, torcedores, sócios, patrocinadores, etc.

O fato é que muitos esquecem que antes de inovar é preciso entender contextos, cenários e principalmente, a cultura de onde se quer aplicar alguma inovação. E no futebol, esse entendimento precisa ser levado ainda mais a sério.

Texto de Débora Saldanha.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.