executivo
executivo

Clube-Empresa: salvação ou engodo

Um tema que vem sendo cada vez mais abordado e discutido no país é a possibilidade de os clubes se assumirem a estrutura de uma empresa, através de um projeto de lei que atualmente está em debate no Senado. Hoje, no Brasil, os clubes são associações sem fins lucrativos, ou seja: não existe obrigação em terminar o ano com resultado financeiro positivo. Quando o clube se torna uma sociedade anônima seus lucros acabando sendo divididos entre os proprietários.

Clube-empresa na história

No entanto, antes de trazer esse debate para o Brasil, é necessário entender o contexto dos clubes-empresa no mundo. O primeiro deles surgiu em 1888, na Inglaterra (Birmingham FC), com objetivo de proteger seus associados. A figura da associação sem fins lucrativos nunca existiu no futebol inglês.

Pode-se perceber que, evidentemente, era outro contexto de mundo e outra perspectiva sobre o tema. Os clubes da Inglaterra, hoje modelos para o mundo, já foram moldados dessa forma desde os primórdios da Liga.

Depois da Inglaterra, a Itália entrou no processo para tentar fazer com que os clubes não quebrassem em dívidas. Na década de 60, o entendimento era que mudar a razão social faria com que a engrenagem girasse de uma forma melhor, até por conta do crescimento do futebol de um modo geral (estádios maiores, internacionalização, salários maiores e afins).

No entanto, apesar de ter na essência uma ideia similar ao que debatemos hoje (escapar de dívidas e deter os gastos exagerados), não foi o que ocorreu na prática, com mais de 50 clubes falidos no país, além das denúncias já comprovadas de envolvimentos com máfias, apostas, jogadores e dinheiro sujo.

Nos anos 80 os clubes foram obrigados a virarem empresas por lei e isso também ocorreu em outros países; Espanha e Portugal são alguns exemplos. Na Espanha, inclusive, apenas 4 não se tornaram empresas. Isso ocorreu graças a uma exceção na regra: Clubes que apresentassem seu balanço sem dívidas não precisariam virar. Foram (e são) eles: Barcelona, Real Madrid, Atlethic Bilbao e Osasuna.

Trazendo para a América do Sul, tivemos em 1998 no Brasil a Lei Pelé aprovada já com o objetivo de tornar os clubes em Sociedades Anônimas. No entanto, a obrigatoriedade caiu.

Vitória e Bahia foram os pioneiros da situação. Em 2000 o Vitória foi o primeiro clube-empresa do país e abriu capital para o Exxel Group, dirigido por Argentinos. No entanto, os argentinos quebraram e todo o processo acabou com o clube indo para a série C, assim como seu rival. A dívida do S/A foi dividia em 260 parcelas no PROFUT a partir de 2016 (o Vitória paga até hoje).

Após esse apanhado geral, é notório que o “debate sobre clube-empresa” não é novo nem muito menos algo que dê garantia de sucesso. É verdade que a estabilidade política é um ponto importante nas empresas e que a interferência do jogo político é muito maior em instituições sem fins lucrativos. No entanto, a forma com que essa ideia é passada é extremamente preocupante.

O Futebol é reflexo da sociedade, e infelizmente existe a tendência de sempre existir a procura de respostas simples e fáceis para problemas estruturais e complexos. Dentro da realidade do futebol brasileiro nós já observamos diversos tipos diferentes de clube-empresa: tornar o sócio investidor o sócio majoritário com 50+1% das ações (Vitória S/A), separar apenas o departamento de futebol para ser gerido como empresa (Botafogo de SP, Figueirense e outros) e comprar um clube em sua totalidade, modificando nome, identidade, marca e cores (Bragantino / RB Bragantino).

É necessário, inclusive, tomar cuidado com os argumentos de que “O Projeto RB deu certo”. Lembrem-se que, durante muitos anos, o RB Brasil existiu e não conseguiu nem mesmo uma vaga na série C. O que foi feito foi a procura pelo Bragantino, clube comandado por uma família desde a sua fundação e a proposta de alterar tudo que existia em troca de investimento. Você aceitaria seu clube se tornando “RB XXXXXX” com as cores alternadas, escudo, mascote e identidade em troca de investimento?

Clubes-empresa no Chile (como o Colo-Colo, por exemplo), não subiram de patamar. Continuaram ganhando o campeonato nacional e fazendo campanhas continentais fracas. Para eles o nacional já era algo comum e nada mudou. Inclusive, para quem se interessar mais no assunto, sugerimos a matéria do Matinal Jornalismo, que trouxe uma abordagem sobre a situação geral e como a crise agravou a situação do tradicional clube chileno, além de retratar como a SAD (sigla de Sociedade Anônima Desportiva) teve sua contribuição para que os problemas piorassem. 1

Alterar os mecanismos de gestão corporativa, de compliance e instaurar profissionalismo independe da razão social dos clubes. Gestores competentes e incompetentes existem na esfera pública e na iniciativa privada. Mudar por mudar não alteraria em nada. Além da participação da torcida e seus associados que, naturalmente, seria menor. O Valencia é um exemplo claríssimo sobre esse tópico hoje em dia.

Significa que nada presta? Não! Com um projeto bem estruturado tudo pode funcionar. O problema é que no Brasil e a realidade (cultural, financeira e afins) é completamente diferente dos “modelos”.

Existem contextos e aplicações que nunca podem ser desconsiderados. Trazendo também a respeito de um caso positivo, temos o Bayern de Munique, onde 75% das ações pertencem à associação, 8,33% pertencem à Audi, 8,33% à Adidas e os mesmos 8,33% pertencem à Allianz. No entanto, percebam: a grande maioria das ações está nas mãos da associação, que realiza assembleias, eleições e afins.

Os três players investem quantias consideráveis nessas ações que compõem o capital do Bayern e possuem voz no clube -mesmo com a palavra final sendo da instituição. Mais uma vez, caso exista interesse, deixaremos o link da matéria de Rodrigo Capelo, que foi ao ar no site Globoesporte.com, onde é retratado como funcionam os clubes-empresa.

Texto de Leonardo Santiago, do Los Futebólicos.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.