ronaldinho
ronaldinho

A arte do engano

Você está na sua tradicional pelada com os amigos ou mesmo em um campeonato amador da sua cidade. Para alguém que não é propriamente um atleta, está indo bem, fazendo o simples e sem correr muitos riscos. De repente um drible desconcertante lhe é dado e o caos se estabelece.

Tenho certeza de que essa cena se passa na cabeça da maior parte das pessoas que gostam de futebol, para não dizer de todos. É uma sensação indescritível de vergonha e, sem purismos, raiva. Toda a sua concentração se esvai. Tudo isso, “do nada”. Me remete a algo que li outrora.

“Em todo pensamento se dá algo que não somente não pode ser pensado como, sobretudo e em tudo que se pensa, significa pensar, isto é, faz e torna possível o pensamento. Este “não pensado”, que nunca poderá ser pensado, é, pois, um nada” (Palavras de Emmanuel Carneiro Leão, em apresentação à edição de 2005 do livro “Ser e Tempo”, de Martin Heidegger)

Parece ser complexo e de fato é. A ideia consiste numa ação que caracteriza, faz parte e torna possível o pensamento, incapaz, contudo, de ser pensada. É a origem do pensar e ao mesmo tempo o próprio pensar. Mas inconcebível à razão. Em resumo, um nada. É um nada que cria.

É desse nada que o jogador com a capacidade criativa tira os seus recursos mais inalcançáveis àqueles menos afortunados, tal como um mágico que tem na sua manga as cartas que ilusionam aos espectadores. O engano é arte e a América do Sul é um celeiro de artistas.

Leia também em nosso site:

Jornalismo e futebol, de Tino Marcos a D’Alessandro, por João Paulo Fontoura.

Futebol, Fórmula 1 e cultura organizacional – Parte 1, por Caio Derosso.

A análise nossa de cada dia, por Michele Kanitz.

Para continuar com o exemplo do ilusionista, ele precisa saber manipular a plateia para que eles foquem numa ação secundária, enquanto a mágica propriamente dita acontece sem que ninguém perceba. É um jogo de indução ao erro.

O craque concede ao defensor alguma vantagem, seja pela redução do ritmo ou por um movimento corporal “incorreto”, para logo em seguida demonstrar que essa superioridade que o defensor acreditava ter era somente uma utopia. Ele é dono do tempo e deixa isso muito claro.

Quando Riquelme direcionava todo o seu corpo para um lado, a bola iria para o outro. Cruel. O mesmo com Alex. Assim como com Ronaldinho, Garrincha, Ronaldo, Aimar, Gallardo, Pelé. Maradona nem se fala. É assim com Messi. Para escolher poucos (e bons).

Neymar de costas para o adversário, recuando, tem a intenção de gerar confiança no marcador para o desarmá-lo. Fatal. Não importa se você é Kimmich, ele vai tirar um elástico invertido na sua frente. Não importa se você é Muller, a bola vai ser colocada entre as suas pernas. O encanto da genialidade não perdoa ninguém.

É nosso. É cultural. Quando se nasce nessa terra, com tantas dificuldades, com tantos obstáculos, não existe outra opção que não seja inventar. Para vencer no futebol e, em maior escala, na vida. A maioria dos artistas surge de um nada e é também um nada que faz surgir tudo.

Texto de Pedro Heitor de Los Futebólicos.

compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Faça parte do nosso time

Preencha o formulário para que nossa equipe possa avaliar suas informações e entrar em contato.

Publique o seu artigo

Preencha o formulário para que nossa equipe possa entrar em contato e ajudar você a publicar seu artigo.