Workshop de Análise de Desempenho movimenta o Foot.Hub

Workshop de Análise de Desempenho movimenta o Foot.Hub

Quem não gostaria de analisar uma partida decisiva da Copa América com os dados utilizados pelas comissões técnicas? Na tarde do último sábado, quem veio ao Foot.Hub pode realizar esta atividade, em um evento em parceria com o MW Futebol e o InStat. Os participantes do workshop tiveram outra visão de Uruguai 0 x 0 Peru, com dados que fizeram falta inclusive para Luis Suarez, que errou o pênalti decisivo da eliminação celeste.

Alunos atentos ao curso que o Foot.Hub promoveu no final de semana

O fundador do projeto MW, Mauricio Wiklicky foi o responsável por comandar o evento, dividido em duas partes. Para iniciar, uma breve aula sobre o setor de análise de desempenho. Maurício ressaltou que o setor é uma das diversas variáveis presentes no futebol, mas não é protagonista do jogo. A atuação de um analista está em coletar dados de sua equipe e adversários, gravar e analisar partidas a partir dos scouts e transmitir essas informações aos técnicos e jogadores por vídeos e apresentações para uma melhora na tomada de decisões. Ainda que não seja protagonista, o profissional da área deve focar em provocar mudanças nas equipes em que atuam a partir de suas análises, seja dos treinos ou dos jogos.

Foram explicadas as diferenças em relação aos dados, que podem ser quantitativos ou qualitativos, individuais ou coletivos. Maurício destacou alguns números que são básicos para o trabalho de um analista: passe, posse de bola, cruzamentos, finalizações e desarmes. No entanto, as mudanças só serão feitas com a utilização de indicadores de desempenho, divididos em fase ofensiva e defensiva: circulação de bola, volume ofensivo, profundidade, solidez defensiva e perde-pressiona. O mais difícil em relação ao dados é realizar sua interpretação, sendo inclusive uma das carências do mercado, como destacou o palestrante. Esses indicadores devem ser utilizados de acordo com o modelo de jogo de cada equipe, se um jogo direto ou mais trabalhado.

Ferramenta InStat foi utilizada pelos participantes | Fotos: Christian Farias

No segundo momento foi hora de entrar na parte tática. Às 16 horas a bola rolou para Uruguai x Peru, e os participantes do curso iniciaram a atividade prática, divididos em dois grupos, um com cada seleção. Os dados do InStat seriam analisados em tempo real. Antes do jogo uma breve análise, que destacou principalmente a falta que Farfán poderia fazer ao time do Peru.

Durante o jogo, a dinâmica envolveu eventuais mensagens que os analistas passariam ao técnicos de Peru e Uruguai, avisando sobre pontos positivos e negativos das equipes. Na metade do primeiro tempo, foi destacado a marcação peruana sobre Bentancur, dificultando a saída de bola uruguaia. No intervalo, alguns pontos de mudança para o retorno do intervalo, com base nos dados disponíveis. O Peru precisaria de alguém para dar apoio ao Guerrero no ataque. Aos 25 minutos do segundo tempo, foram indicadas possíveis mudanças para o trecho final da partida, para que o 0 x 0 saísse do placar. Como isso não aconteceu, a análise do pós-jogo foi sobre a atuação dos goleiros em disputas de pênaltis passadas. Os participantes destacaram que o goleiro peruano costumava cair sempre para seu lado direito, justamente onde ele defendeu a cobrança de Luis Suarez.

Quem esteve no evento ainda ganhou um mês de uso da ferramenta do InStat, utilizada pelos maiores clubes do mundo. Com os ensinamentos adquiridos durante o workshop e estes dados profissionais, é possível construir ótimo conteúdo para ingressar no mercado de analista. A tarde no Foot.Hub foi o primeiro passo de uma longa caminhada.

Texto escrito por Rodrigo Romano.