Presidente da Conmebol projeta que receitas passarão de US$500M em 2019

Presidente da Conmebol projeta que receitas passarão de US$500M em 2019

A CONMEBOL, a confederação sul-americana de futebol, vai gerar mais de US$500 milhões este ano, segundo seu presidente Alejandro Dominguez.

Falando no congresso da CONMEBOL no Rio de Janeiro, Dominguez disse que, desde sua eleição em 2016, a renda do corpo administrativo subiu para níveis recordes.

O aumento projetado é em parte para o contrato de direitos comerciais de US$ 1,4 bilhão da CONMEBOL com a FC Diez Media, a joint venture entre a IMG e o DAZN Group, que inclui a Copa Liberdatores, a maior competição de clubes da América do Sul, até 2022.

A projeção de Dominguez também é baseada no esperado impulso da CONMEBOL de sediar a Copa América deste ano, a competição de times de futebol da América do Sul, no Brasil.

Dirigindo-se aos membros do conselho da CONMEBOL, Dominguez disse: “Quero dizer com orgulho que a CONMEBOL vai ultrapassar US$ 500 milhões em receita [em 2019].

“Quero dizer que há US$ 470 milhões que esse governo vai redirecionar para o futebol. Isso nos torna a confederação que distribui mais dinheiro por porcentagem no mundo. Nós não somos a confederação mais geradora de dinheiro, mas aquela que gasta mais dinheiro por país, no mundo”.

Em relação à distribuição dessa renda, Dominguez destacou que a CONMEBOL está comprometendo a maior porcentagem de receita (94%) com seus membros nacionais.

Em 2019, serão oferecidos US$ 211,1 milhões em prêmios em competições de clubes da CONMEBOL, com US$ 161,9 milhões para a Copa Libertadores e US$ 47,2 milhões para a Copa Sul-Americana – a competição secundária do clube continental. Esse fundo de prêmios representa um aumento de 50% em 2018. Além disso, as equipes nacionais de futebol da América do Sul competirão por US $ 67,5 milhões na Copa América.

Essa projeção de receita e sua clara distribuição representariam um ano impressionante para Dominguez, eleito com a promessa de abertura e transparência após anos de escândalo da CONMEBOL. Na época de sua nomeação em 2016, Dominguez foi o quarto líder da confederação em três anos, com seus antecessores todos implicados pelas acusações de corrupção da Fifa após a investigação da corrupção do Departamento de Justiça dos EUA no futebol internacional.

O paraguaio acrescentou: “Com orgulho e olhando nos seus olhos, posso dizer que nesta nova administração reina a transparência.

“Eu quero convidar você para refletir juntos. Lembre-se de onde viemos e celebremos onde estamos. Nós nos deparamos com uma organização que havia esquecido seu motivo, que tinha como meta o dinheiro. Dessas cinzas, trabalhamos em quatro eixos, gerando mais valor para o futebol”.