O plano do Barcelona para torna-se uma máquina de entretenimento

O plano do Barcelona para torna-se uma máquina de entretenimento

Artigo de Rafael Weber

É com o Silicon Valley, região que representa um dos polos tecnológicos mais avançados do mundo, que o FC Barcelona se prepara para o futuro. O Barcelona deseja ir além, deixar de ser só um clube desportivo e passar a ser uma máquina de entretenimento. 

O primeiro passo para tornar Barcelona uma referência da inovação e entretenimento a nível mundial foi criar um Hub de Inovação, o Barça Innovation Hub sob o comando de Javier Sobrino, Diretor de Inovação do clube. O Barça Hub é um grande “laboratório” ao qual deseja contar com outras empresas para levar a cabo uma grande revolução. A ideia do Barcelona não passa apenas por desenvolver um centro de inovação, mas também tornar o clube numa empresa de entretenimento, mantendo sempre viva a identidade associativa do clube e que faz parte do DNA do emblema catalão. 

No centro de todo o processo, está o torcedor e sócio do Barcelona. O objetivo é criar novos produtos que permitam o Barcelona ser competitivo frente aos clubes que possuem investidores milionários. O projeto ainda inclui remodelar o complexo desportivo do FC Barcelona até 2023, renovando o Camp Nou e o Mini Estádio, bem como criando novas áreas e espaços que permitam atrair empresas de forma a trabalhar em conjunto com o clube numa relação de maior proximidade como uma nova Arena e um novo pavilhão multidesportivo.

O plano do Barcelona assenta em cinco pontos: a excelência desportiva, a consciência social, as infraestruturas, a marca e posicionamento global. As atividades de conhecimento e inovação estão estruturadas em sete áreas: Desportos Coletivos, Rendimento Esportivo, Análise e Tecnologia Desportiva, Saúde e Bem Estar, Engajamento dos Torcedores e Big Data, Instalações Inteligentes e Inovação Social. 

O Barcelona pretende apontar ao êxito desportivo e profissionalizar o futebol feminino, bem como desenvolver o projeto La Masia 360º, se tornando uma instituição reconhecida pelo seu trabalho e seu impacto social, conseguido pela Fundação Barça, bem como pela colaboração que possuem com outras entidades internacionais. 

A partir do Barça Innovation Hub, o objetivo do clube passa a conseguir reunir um conjunto de empresas que ajude a transformar o futuro do desporto, construindo um ambiente privilegiado que permita formar um laboratório de desporto, idealizando, testando e desenvolvendo novas ideias, conhecimentos, produtos e serviços. 

Para isso, o Barcelona tem noção que não irá poder trabalhar sozinho. O clube já criou um “ecosistema” para que universidades, centros de investigação e saúde, startups e grandes organizações possam trabalhar em conjunto, tendo começado uma plataforma que planejam divulgar de forma mais extensiva como um lugar onde qualquer pessoa que queira desenvolver um projeto relacionado com o desporte se possa integrar. Trabalhando junto a parceiros, o clube adquiri velocidade além de reduzir custos. 

O Barcelona pretende ainda tornar-se uma empresa de entretenimento de forma a gerar mais recursos financeiros para os reinvestir no próprio clube. Conteúdo, como jogos em caso, já são vendidos, mas há muito conteúdo ao redor disto que pode e deve ser explorado. Conteúdo de entretenimento, dados, histórias paralelas e outras para serem apreciados pelos torcedores. Há marca para serem tomadas como exemplo.

Mesmo como todos estes objetivos, o clube não irá mudar na sua estrutura de direção, mas assegura que a grande ambição do Barcelona passa por se comparar e competir com as grandes empresas de entretenimento mundias, deixando o clube de se comparar somente com outros clubes de futebol ou desportivos.

Fundamental para esta expansão, será o conhecimento mais profundo dos sócios e torcedores por parte do clube, o que exigirá um investimento em Inteligência Artificial e análise de dados. Alguns conhecimentos conseguem-se com as visitas dos sócios e torcedores ao estádio, com a compra de ingressos ou compras diversas nas lojas do clube. Porém o potencial é muito grande e se torna necessário atacar aqueles que são torcedores e simpatizantes, com conteúdo exclusivo e serviços especiais, onde será necessário a busca de mais dados, em relação a aqueles que não visitam o clube, não compram algo mas desejam se vincular ao Barcelona. Há que explorar este potencial a nível mundial. 

O Barcelona procura países onde não existem grandes competidores futebolísticos locais, como Estados Unidos, a China, o Japão, o México e a Indonésia. Há alguns anos era impensável que um clube pudesse se tornar global. O objetivo é que em alguns anos se fale do Barcelona Innovation Hub como um elemento estrutural de um clube que é diferente e é o número um na inovação desportiva a nível mundial.