Futebol como objeto de estudo no Brasil

Futebol como objeto de estudo no Brasil

No último dia 23 de agosto aconteceu no Rio de Janeiro o encerramento do curso de gestão de esportes organizado pela FGV, em parceria com a FIFA e o CIES. Esse abordou diversos temas relacionados com o esporte: finanças, direito desportivo, planejamento estratégico, organização de eventos e marketing esportivo. Como última etapa do programa, foram elaborados estudos que levaram em conta temas relevantes para a sociedade atual, apresentados no evento pelos alunos do curso. O FootHub traz aqui alguns destaques entre os trabalhos realizados:

Futebol Feminino: estudo do cenário nacional e internacional e os possíveis caminhos para desenvolver a modalidade

A pesquisa feita nesse trabalho mostra, entre outras informações, uma defasagem em investimento e desenvolvimento de novos talentos no futebol feminino brasileiro. O nosso principal objetivo é ilustrar o cenário nacional atual, compará-lo com outras potencias e criar um projeto que aumente a visibilidade das categorias de base no Brasil.

Escrito por: Camila Macedo, Kelly Teixeira, Isabela Aarestrup, Luana Ferreira e Marina Junqueira. Eleito o melhor trabalho entre os apresentados.

Turismo Esportivo Recorrente: A relação entre cidade e suas instituições esportivas além dos megaeventos

O Turismo e o esporte são duas grandes industrias mundiais, representando parcelas significativas das receitas. A relação entre os dois segmentos existe há um certo tempo, mas ainda é restrita aos megaeventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas. A partir do estudo sobre o turismo de forma geral, e a identificação cultural de cada cidade com o esporte, é possível afirmar que o turismo pode ser mais amplo que um único evento. Este pode existir a partir de eventos menores. Examinar esta e outras alternativas aos megaeventos se faz necessária. A construção de um modelo para desenvolver uma indústria a partir da união destas áreas é a principal contribuição do trabalho.

Escrito por: Alexandre Dória, João Gomes, Rodrigo Romano, Vitor Galvão.

A retomada da credibilidade no futebol: Compliance

O futebol deixou de ser apenas um esporte e cada vez mais tem se mostrado um negócio gigante. Com isso, as entidades tanto de prática quanto de administração da modalidade têm que se adaptar a esse cenário, aprimorando suas gestões e profissionalizando o esporte. Crises nas entidades esportivas, em especial no futebol, vêm sendo cada vez mais frequentes, e a grandeza do esporte tem sido prejudicada pelos escândalos de corrupção e irregularidades que vêm literalmente quebrando clubes centenários. Mas como evitar esse problema? os gestores de associações esportivas, que, às margens das leis públicas, estão tranquilos quanto às responsabilizações por irregularidades ou desvios, terão que entender que isso precisa terminar. Neste trabalho vamos falar de compliance, uma palavra de origem inglesa  que já vem transformando o mundo empresarial e financeiro e, em breve, transformará também o futebol, e o esporte.

Escrito por: Alfredo Pombo, Nilo Patussi, Renato Maia.

Empresas B: uma alternativa para a cooperação entre esportes e sociedade

Esta pesquisa aplicada pretende demonstrar como as sociedades esportivas tradicionais e estabelecidas podem se favorecer e beneficiar a sociedade a partir da certificação como Empresa B, tornando-as uma ferramenta social capaz de melhorar as comunidades que as cercam. Até julho de 2019, não havia, no mundo, nenhum clube esportivo com este reconhecimento. O trabalho, amparado por autores como Frank Vanclay e Muhammad Yunus, examinou a relação do esporte com o povo, expôs a importância cultural e social das agremiações esportivas, e estabeleceu as bases necessárias para a certificação de Empresa B. A análise foi possível com pesquisas documental e bibliográfica, além da aplicação de questionário e de entrevista estruturada. A pesquisa demonstrou que tal transformação seria capaz de garantir presença positiva de mídia, aumentar a boa vontade da comunidade, impulsionar o engajamento da torcida e criar oportunidades inéditas de negócio. A transição também poderia aumentar as receitas da agremiação e converter os clubes em alicerces fundamentais do bem-estar social.

Escrito por: Braitner Moreira e Victor Mazzini.

Marketing Social: as organizações esportivas como agentes de inclusão social

As organizações esportivas precisam entender a sua importância perante a sociedade, na convivência entre os cidadãos e que fazem parte de um contexto onde as mazelas sociais estão presentes. As organizações devem atuar como agentes de inclusão social, fazendo com que o esporte se sobressaia enquanto ferramenta necessária ao desenvolvimento humano. Com o foco nas mulheres, nos portadores de necessidades especiais, LGBTS e locais de vulnerabilidade social, o objetivo geral deste projeto é agregar as áreas de marketing e de sociabilização a fim de oportunizar eventos esportivos aos grupos sociais denominados como excluídos. Com a intenção de criar uma via de mão dupla, promovendo experiências marcantes aos participantes e uma repercussão positiva para o idealizador. O foco é promover o diálogo sobre a trajetória de cada um destes grupos cenário esportivo, tendo a convicção que a inclusão social é um fator determinante para democratizar o acesso e consequentemente torna-se um importante catalisador de recursos para o marketing das organizações esportivas.

Escrito por: Lucas Cesar de Melo Soares.

Futebol S/A: a gestão estratégica mudando para um novo paradigma

O presente estudo tem como objetivo demonstrar a importância da utilização do planejamento estratégico como uma ferramenta que auxilie os clubes de futebol no Brasil nas diversas áreas de sua gestão. Outro aspecto importante a ser abordado trata da importância do clube empresa para a gestão de futebol e as dificuldades para a sua implantação. Analisar o modelo atual de gestão no futebol e a sua necessidade de mudança organizacional e cultural, propondo um novo modelo de gestão. O planejamento estratégico como a base para uma gestão mais sólida, por meio de um pensamento e de ações a curto, médio e longo prazo, visam um desenvolvimento e resultados que os gestores almejam, assim sendo, atingindo as metas propostas, e, ainda podemos levar em consideração que os clubes de futebol estão passando por uma fase de transição, com isso, devem estar estruturados de maneira mais profissional para se adaptarem ao mercado do entretenimento, além da proposta de uma nova legislação, que se propõe na criação das sociedades anônimas no futebol do país. A metodologia utilizada foi o estudo explicativo vinculando ideias de forma a tentar explicar as causas e efeitos do planejamento estratégico e do clube-empresa no mundo do futebol, e a técnica aplicada foi a pesquisa bibliográfica. Finalmente o trabalho tem o intuito de fazer com que o leitor reflita sobre a maneira como os clubes de futebol estão se organizando ao longo dos anos, e como poderiam melhorar sua gestão por meio da realização de um planejamento estratégico. Esse tipo de planejamento pode fazer com que o clube se conheça melhor e entenda todo o ambiente que o cerca tornando-se uma verdadeira empresa, com mais organização, com mais capacidade para gerar e administrar recursos, equilibrando suas finanças e tendo mais oportunidades para atingir os objetivos a que se propõem.

Escrito por: Marco Agostini, Ricardo Leite, Rodrigo Leite, Sérgio Albuquerque Cerqueira.

É possível perceber que existem várias pessoas buscando no estudo uma saída para os principais problemas existentes no futebol brasileiro. Trabalhos nas mais diversas áreas, como os apresentados aqui, poderiam auxiliar no crescimento do esporte. O Foot.Hub é o ambiente ideal para todos que querem contribuir com isso, a partir de seus pilares de conexão, educação e inovação.